Manejo dos Gatos Infectados por FIV/FeLV

Primeiramente, é claro afirmar que a decisão de tratamento ou eutanásia não deve-se basear somente na presença do vírus,outros fatores devem ser avaliados,como quadro clínico geral do paciente,doenças concomitantes,condições do proprietário(psicológicas,financeiras…) e fatores ambientais,dentre outras intercorrências.
De acordo com vários estudos,geralmente um animal positivo para estas retroviroses pode viver por alguns anos ainda,com os devidos cuidados,podendo até a sucumbir por outras causas não-relacionadas.Um FIV-positivo possui uma expectativa de vida em média de 5 anos após o diagnóstico.Um FeLV-positivo vive de 2,5 a 3 anos após o diagnóstico,e claro que em casos de dupla infecção essa expectativa diminue bastante.
Os gatos infectados não podem ter acesso à rua,devem ser mantidos confinados,assim,evita-se a contaminação de outros animais,mas também previne o soro-positivo da exposição à agentes patogênicos,principalmente bactérias e ectoparasitas do meio externo.
Uma boa nutrição é fundamental,baseada em rações felinas de qualidade,água abundante e filtrada,devendo-se evitar dietas caseiras a base de carne ou leite.
O programa de controle de ecto e endoparasitas deve ser frequente,visto as doenças que eles podem desencadear.
O veterinário deve ter o cuidado de marcar e incentivar os retornos periódicos destes pacientes.O exame clínico deve ser cuidadoso,dando maior atenção ao sistemas mais predispostos,como a cavidade oral,linfonodos ,pele, cavidade torácica,segmentos anteriores e posteriores dos olhos e sistema nervoso.O perfil hematológico também é importante,devido às alterações comuns causadas por estas enfermidades,que precisam ser logo detectadas.Além de bioquímica sérica,conhecendo-se os perfis renais e hepáticos, e a urinálise,que nunca deve ser esquecida.
A vacinação destes animais ainda gera muitas discursões,acredita-se que a resposta imune em relação à imunização é semelhante em soro-positivos e não-infectados,mas o recomendado é não usar vacinas com vírus vivos-modificados,e o programa de imunização deve conter apenas vacinas essenciais para o determinado paciente.
O esteio do tratamento é a prevenção e a cura das infecções oportunistas.Drogas imunosupressoras devem ser utilizadas com cautela,somente se necessárias.Cada caso é um caso,mas os imunoestimulantes são conhecidamente benéficos,como o interferon alfa humano e o interferon felino(ainda não disponível no Brasil).O AZT,anti-viral bastante conhecido,é o que mais beneficia o paciente,com melhoras visíveis na sintomatologia,principalmente nas lesões orais e neurológicas.

Para baixar:Feline Retrovirus Management Guidelines

10 respostas
  1. Alison
    Alison says:

    Adorei seu blog venho acompanhando a algum tempo e é excelente o auxilio. Em breve irei apresentar um seminário sobre FIV e queria sabre se vc poderia me mandar o material utilizado pois o material que eu pesquisei tem poucas indicações de tratamento e nenhum encontrei vacinas para imunização oq ue vc citou no texto. Grato Alison André
    e-mail:aa_xs@hotmail.com

    Responder
  2. Élida Pires
    Élida Pires says:

    Bom, primeiro devo parabenizá-lo pela iniciativa, pois considero importante nos informarmos e ajudarmos a qualquer ser vivo… Passado esse momento, gostaria de tirar uma dúvida em relação ao meu gatinho, que recentemente foi cogitada a possibilidade dele ter sido contaminado com a AIDS Felina. Quero saber se, assim como ocorre com os humanos, os gatos transmitem essa doença através do contato com o sangue? Isto é, esse animalzinho pode oferecer algum risco de contaminação a mim ou aos meus familiares?

    Atenciosamente,

    Élida Pires

    Responder
  3. Michel
    Michel says:

    Olá Reginaldo. Gostaria de uma opinião. Meu gato de 3 anos de idade morreu em março, provavelmente por causa de FeLV. Após a morte dele testamos nossa gata de 4 anos de idade e deu positivo para FeLV. Foi sugerido tratamento com AZT mas ainda estou em dúvida se é recomendável, pois ela já tem 4 anos e está bem de saúde. O único episódio que nos deixou alerta foi a perda de alguns dentes incisivos. Será que é o caso de tratar com interferon ou AZT?
    Obrigado.

    Responder
  4. Unknown
    Unknown says:

    Olá, Dr. Reginaldo!

    Seu blog foi um achado, e me pegou numa hora complicada da minha vida com felinos. Tenho gatos há 30 anos, e somente agora perdi um com FELV. Tenho mais duas gatas, uma que já testei e deu positivo e a outra testarei em seis meses. Minha questão é com relação à expectativa de vida. Quando você diz "x anos após o diagnóstico", quer dizer após a confirmação ou após aparecerem os primeiros sintomas? Já me tive informações de gatos que levam anos para que o vírus se manifeste.

    Agradeço se puder me responder. Parabéns pelo trabalho!

    Diana Fletcher

    Responder
  5. Carol
    Carol says:

    Olá. Foi recomendado ao meu filhote de 4 meses, portador da FeLV, o uso do interferom, o qual venho ministrando diariamente. A veterinária sugeriu o uso do AZT mais adiante. Porém,já me antecipou que, por se tratar o AZT de um medicamento humano controlado pelo governo,ela não tem acesso. Gostaria de saber qual a possibilidade de consegui-lo para o felino. Abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *