OSH Minimamente Invasiva

Já é indiscutível a importância da castração de gatos jovens,machos ou fêmeas,precocemente.Associando-se a isto,as técnicas cirúrgicas devem ser rápidas e seguras para o paciente,diminuindo o tempo de anestesia e favorecendo à recuperação no pós-cirúrgico.

Atualmente o corte cirúrgico de uma ovariohisterectomia eletiva mede em média 1 a 1,2cm,não devendo ultrapassar a 1,5cm.A cicatrização é facilitada e sem transtornos para a fêmea.

Abaixo,um vídeo interessante,onde uma colega mostra sua habilidade e destreza.Não precisa ser tão rápido,mas a técnica deve ser seguida.Abraços!

12 respostas
  1. Carlos
    Carlos says:

    Olá!
    Conversei recentemente com a Drª. Peggy Larson a respeito do protocolo anestésico usado nos vídeos.
    Eles usam na mesma seringa Ketamina (100mg/ml) na dose de 0,33 ml e Xilazina (20mg/ml) na dose de 0,27 ml via IM. Se necessário, no trans aplicam 0,1 ml K + 0,5 ml XLZ via IV. Ioimbina na dose de 0,1 ml IV no final da cirurgia.
    Em 56.000 cirurgias, somente 8 óbitos.

    Carlos Sá – CRMV-MG 2418

    Responder
  2. Claudia
    Claudia says:

    Cláudia
    Bárbaro o vídeo. Adorei. Não tenho coragem de romper o ligamento dos ovários. Mas procuro sempre fazer uma incisão pequena tb. Um dia chego lá.Quanto ao protocilo anestésico nunca utilizei este não. Vou tentar um dia, mas será que não valeria a pena aplicar atropina?
    clau_medvet@hotmail.com

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *