Toracocentese e Efusões Pleurais

Este vídeo feito pela equipe do ilustre Dr.Alceu(UFSM)nos mostra a simplicidade de um procedimento que pode salvar muitos dos nossos felinos.

A toracocentese e drenagem pleural são procedimentos emergenciais,terapêuticos e diagnósticos.Devem ser realizados antes mesmo de a radiografia ou de um exame clínico mais apurado.A manipulação do animal deve ser a mais cuidadosa possível e é importante a disponibilidade de oxigênio direto.

O material necessário é básico:Drena-se líquido pleural com um scalp 21 ou 23,com auxílio de uma torneira de três vias e uma seringa de 20ml.Pode-se utilizar também cateter ou cânula mamária ao invés de agulha,diminuindo assim o risco de laceração pulmonar.O ideal é que se realize a tricotomia e assepsia ampla da região entre o sétimo e oitavo espaço intercostal.O gato deve ser erguido pelos membros anteriores e a punção deve ser feita entre estes espaços,abaixo da junção costo-condral.A agulha deve ser introduzida em um ângulo de 45 graus,no meio do espaço intercostal,evitando-se os vasos que ficam próximos à borda posterior de cada costela.Logo depois,acopla-se a torneira juntamente com uma seringa,prosseguindo com a aspiração do líquido.O exame laboratorial da efusão nos guirá para o diagnóstico e tratamento.É colocado uma amostra do líquido em um tubo com EDTA,para a análise citológica e protéica,e em um outro sem EDTA,para o estudo bioquímico e para cultura de microorganismos.

Nos casos em que o derrame pleural é muito intenso,em que é necessário várias punções seguidas,o recomendado é a colocação de um tubo torácico.Diferentemente da toracocentese,a toracostomia geralmente necessita de sedação/anestesia.Pode-se utilizar uma indução com dissociativos e a seguinte manutenção com anestésicos voláteis,sempre precedida de oxigênio 100%.É criado um túnel,com o auxílio de uma pinça hemostática,iniciando-se no décimo espaço intercostal até o sétimo,penetrando na cavidade torácica.A seguir o tubo é fixado por sutura em “malha chinesa” e vedado por uma torneira de três vias.A efusão é aspirada 3 a 4 vezes ao dia e o controle da dor também é necessário.Dependendo da causa do derrame,o tubo deve ser mantido por muito tempo e os cuidados com a assepsia devem ser intensos.

As efusões pleurais se formam quando determinados fatores aumentam a formação do líquido pleural ou diminuem a sua absorção.Normalmente existe cerca de 1,5ml de líquido entre as duas pleuras.A parietal o produz e a pleura visceral o absorve.Portanto,disfunção como a insuficiência cardíaca congestiva,aumenta a pressão hidrostática dos capilares parietais,aumentando a formação de derrame pleural,sobrepondo a capacidade de absorção da pleura visceral.

Em hipoproteinemias,devido à queda da pressão colóido-osmótica,ocorre um escape maior de líquidos para a cavidade pleural,além de uma diminuição da absorção.

A diminuição da absorção também pode estar relacionada à distúrbios linfáticos,como obstruções por tumores do ducto torácico ou linfonodos.A hipertensão dos capilares devido à insuficiência cardíaca direita também causa efeito semelhante na drenagem natural do líquido pleural.

Processos inflamatórios ,além de aumentarem o fluxo sanguíneo local,provocam um aumento na permeabilidade capilar,formando efusões ricas em proteínas,com derrame pleural abundante.

O derrame sanguíneo(hemotórax) geralmente não é de origem pleural.Sua causa deve ser investigada.Traumatismos,coagulopatias e neoplasias intra-torácicas são as origens mais comuns.É importante salientar que a toracocentese só deve ser realizada em casos extremos,porque a tendência é que a hemorragia seja autolimitante,devido à pressão intrapleural e se for tratado conservadoramente o sangue pode ser reabsorvido.Uma outra possibilidade é a autotransfusão,retirando-se o sangue da efusão e reaplicando no paciente.

O piotórax e o quilotórax são tipos de efusões em que a colocação do tubo e aspiração contínua seja mais indicada.No caso de secreção purulenta,a lavagem e irrigação da cavidade pleural é fundamental,visto que só a antibioticoterapia sistêmica não é suficiente.

8 respostas
  1. Ednilse
    Ednilse says:

    Olá!!! Adorei a matéria de toraccocentese. Sou médica veterinária na cidade de Marília SP. Eu gostaria na verdade de alguma opinião sobre a coloração da efusão pleural quando o gato apresenta piotórax. Necessariamente o conteúdo drenado tem que parecer pús??? Estou atendendo um felino com 1 ano de idade com dispnéia intensa,febre, um linfonodo sbmandibular aumentado e um poplíteo aumentado, não estava magro, alimenta-se normal,RX (efusão bilateral, hemograma (neutrofilia discreta e grande desvio para esquerda – 1000 bastonetes – neutrófilos tóxicos e degenerado) e histórico e contato com outros gatos, porém não é de gatil. O animal já havia passado por outras clínicas antes de atendê-lo,por tanto o gatinho recebeu aplicações de alguns antibióticos…..(Convênia e sulfa. Ao atendê-lo realizei toracocentese onde retirei 120ml de um líquido esverdeado, porém pouco viscoso com presença de muita fibrina. Ao exame citológico verificou-se exudato sem presença de bactérias, mas mesmo assim pedi que realizassem a cultura e antibiograma. A formação do líquido é muito rápida (48horas). A minha dúvida é pode ser PIF, mesmo com um hemograma de quadro nfeccioso? Será realmente necessário dose razão albumina/globulina neste caso ou eu é que estou deixando de analisar algum fato?? Se pudessem me dar sua opnião agradeceria…sempre acompanho o trabalho de vcs…abraços, ednilse
    meu e-mail é ednilse.bissoli@uol.com.br

    Responder
  2. Sandra
    Sandra says:

    Minha gatinha precisou fazer a retirada de liquido pleural e teve parada cardíaca.
    A médica veterinária disse que ela não aguentou a anestesia. Ela tinha uns 8/9 anos. O líquido retirado estava escuro, provavelmente por insuficiencia cardíaca, embora a vet. ter dito que o coraçãozinho estava bem forte ao auscultá-lo.
    Esse procedimento é mesmo muito perigoso ao ponto de causar a morte do bichinho?
    Abraço

    Responder
  3. Junior
    Junior says:

    Olá,tenho uma gatinha com 2 anos e meio, está com efusão pleural, feito punção e coletado amostra do liquido pleural, feito hemograma e ultrassonografia de abdomen total, os veterinários não conseguem saber qual o diagnóstico estão estudando, dizem ser algo "raro" mas enquanto isso o liquido pleural já está acumulando após 4 dias da punção e ainda não está sendo medicada, vou passar os resultados se puder me ajudar, ficarei eternamente grata, pois já não sei o que fazer
    ultrassonografia normal, hemograma, eritrócitos 8,3 milhões-mm3 – HB 14,1 – HT 42,2 – VCM 50,84 – HCM 16,99 – CHCM 33,41 – PROTEÍNA 6,8 LEUCÓCITOS 4,80 MIL/mm3 – SEGMENTADOS 83% – EOSINÓFILOS 05% – LINFÓCITOS TÍPICOS 12% PLAQUETAS 493 MIL/mm3-obs: neutrófilos tóxicos +
    Efusão e liquidos cavitários – cor amarelo esbranquiçado- odor inodoro – densidade 1,032 ph – 7,5 – células nucleadas 6000 céls/mmm3 – aspecto turvo – sem coagulo – proténa 4,2g/dl triglicérides efusão 92,0mg/dl – colesterol efusão 50,0mg/dl – relação col e trig 0,54
    alta celularidade, predomíno de pequenos linfócitos seguidos por diversos macrófagos alguns com figura de eritrofagocitose, em baixa quantidade, poucos eosinófilos e hemácias, raros neutrófilos, altamente sugestivo de EFUSÃO QUILOSA DE CARÁTER CRÔNICO.
    O estado geral da gatinha é bom, come e bebe água normal, faz tudo normal, brinca, corre, a única coisa é a respiração curta e cansada, vale dizer que foi castrada aos 5 meses, não tem acesso a rua, nem muros,nem telhados, seu convívio com animais estreita-se apenas com a mãe e três irmãos, todos saudáveis, olha Reginaldo se vc puder me dar uma luz te agradeço, se não puder entendo.
    abraço
    Aline

    Responder
  4. Eduarda Gonçalves
    Eduarda Gonçalves says:

    Tenho uma gata de 2 anos que fez a punção de 60ml do pulmão esquerdo, e apresenta anisocoria leve do olho esquerdo. O diagnóstinico inicial é PIF. Gostaria de saber se tenho algum outro procedimento para confirmar o diagnóstico ou se pelos resultados já posso dar como confirmado: Na pulsão era um líquido amarelo. Feito o exame de sangue (coletado na garganta) e do liquido pleural. Segue os resultados.

    SANGUE
    Hemácias:8,86 / Hemoglobina:14,0 / Hematócrito: 42% / PT (plasma): 7,0 / Plaquetas:346000 / Leucócitos:9750 / Albumina:1,73 / Globulina:4,37 / Relação A/G: 0,4.

    LÍQUIDO PLEURAL Albumina:2,25 / ALT: 34 / Creatina:1,2 / GGT:<2,0 / Proteina Total:6,7 / Uréia: 56 / relação A/G: 0,6. Obs: Soro ligerament homolisado

    Obrigada!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *